Chase Carey (FOM) insiste que existe um interesse real de novas equipas

Nos últimos sete dias, tanto o Renault como a Red Bull e a Toro Rosso admitiram que se podiam afastar-se da F1.

Apesar de no último ano termos perdido quase uma equipa, o consórcio do bilionário canadiano, Lawrence Stroll, conseguiu salvar a agora Racing Point. A Williams enfrenta, cada vez mais, problemas de competitividade e a política da Haas tem sido posta em dúvida. Depois temos a campeã mundial. Será que vai continuar o seu domínio? E se conseguir, vai-se manter para além de 2020 ou vai mudar todos os seus recursos para a Fórmula E?

Assim,
pode-se argumentar que o futuro de quatro ou cinco equipas estão em dúvida,
mas, Chase Carey insiste que existe “interesse real” de novas equipas
que querem entrar na Fórmula 1.

Numa entrevista em conjunto com o presidente da FIA, Jean Todt, Carey disse que queria tornar a Fórmula 1 mais atraente a novos participantes, com os novos regulamentos de 2021.

” Eu tive algumas, mais do lado de equipas que precisariam de comprar motor, do que do lado de construtores de motores, novos potenciais participantes que expressaram interesse e algum entusiasmo se nós fornecêssemos uma estrutura onde eles pudessem criar algo de forma mais construtiva”

“Existe um real interesse por parte de equipas, mas acho que temos de finalizar tudo para que, só depois, possamos avaliar em conformidade.” – acrescentou Chase Carey.

O
presidente do FOM diz que a prioridade é ter duas equipas novas e garantir mais
qualidade em vez de quantidade.