Deputados aprovam medida para forçar Trump a retirar apoio à guerra no Iêmen

WASHINGTON – A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta quarta-feira uma resolução que pode forçar o governo do presidente Donald Trump a retirar os soldados americanos envolvidos na guerra do Iêmen, num golpe para a aliança do presidente com a Arábia Saudita.

A medida foi aprovada por 248 votos a 177 e seguirá agora para o Senado, onde também tem apoio, informou o New York Times. A Casa Branca, no entanto, ameaça vetá-la.

Congressistas de ambos os partidos estão cada vez mais preocupados com a crise humanitária no Iêmen e céticos diante da parceria entre os EUA e a coalizão liderada pelos sauditas que combate os rebeldes houthis, apoiados pelo Irã. O desconforto ficou especialmente maior despois das suspeitas de envolvimento do governo saudita no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi dentro do consulado do país na Turquia. De acordo com a inteligência turca, o crime teria sido ordenado pelo príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman.

O conflito no Iêmen já matou milhares de pessoas e gerou o que as Nações Unidas classificam como a crise humanitária mais grave do planeta, desde que uma coalizão liderada pela Arábia Saudita interveio, em 2015, para recuperar um governo expulso pelo movimento rebelde houthi.

A guerra, vista no Oriente Médio como um conflito por procuração entre a Arábia Saudita e o Irã, gerou um impasse que há anos ameaça o envio de suprimentos para alimentar os quase 30 milhões de habitantes do país. Os houthis controlam a capital, Sanaa, e as áreas mais populosas do país, enquanto o governo deposto — instalado em Aden, no Sul — luta para avançar, apesar da ajuda dos Estados árabes.

As condições humanitárias num dos países mais pobres do mundo aumentou a pressão sobre os envolvidos para que o conflito chegue ao fim, com uma esperança renovada de que os esforços coordenados pelos sauditas percam apoio entre os aliados ocidentais que armam e apoiam a coalizão. A revolta a respeito do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, na embaixada saudita em Istambul no dia 2 de outubro, também minou o apoio ocidental a ações regionais dos sauditas.