Roma estuda o que fazer com moedas da Fontana di Trevi

Turistas costumam lançar moedas na Fontana di Trevi

Turistas costumam lançar moedas na Fontana di Trevi

EFE/Alessandro Di Meo/03.11.2015


A prefeita de Roma, Virgínia Raggi, convocou nesta segunda-feira (14) uma reunião para estudar se finalmente muda uma ordem pela qual as moedas que os turistas lançam na popular Fontana di Trevi e que eram destinadas a uma organização beneficente, serão usadas agora em projetos de conservação dos monumentos da capital.


Segundo os veículos de imprensa, Raggi, do Movimento 5 Estrelas, dará “marcha à ré” e não fará a mudança, previsto em uma ordenança de outubro de 2017, após as críticas recebidas.


Nas últimas horas, várias associações católicas acusaram a Câmara Municipal de “tirar este dinheiro dos pobres”.



Na ordenança de 2017 ficou estipulado que os cerca 1,5 milhão de euros recolhidos anualmente na fonte fossem gerenciados diretamente pela Câmara Municipal, o que já tinha provocado críticas e um primeiro adiamento de sua implementação até 2019.


Em 28 de dezembro, a Câmara Municipal voltou a adiar a aplicação desta ordenança até 1 de abril deste ano e a polêmica reavivou novamente.


Segundo esta ordenança, o uso das moedas, que como tradição os turistas lançam com o desejo de voltar a visitar a cidade, é gerenciado pela empresa municipal ACEA, que se ocupa de serviço hídrico da capital e da manutenção das fontes monumentais de Roma e que já era a encarregada de coletar e limpar a Fontana di Trevi.


Em 2001, o prefeito da cidade, Francesco Rutelli, decidiu doar todo o dinheiro recolhido da fonte à Caritas, instituição dependente da Igreja Católica que ajuda os desfavorecidos.


A cada três meses, a Caritas proporcionava à municipalidade um relatório de como tinha gasto as moedas da Fontana di Trevi: sobretudo para proporcionar refúgio às pessoas sem lar, um refeitório social e a criação dos empórios de solidariedade ou supermercados gratuitos para os mais pobres.


Segundo a Caritas Roma, estes recursos supunham 15% de seus orçamentos.