Forças portuguesas tomam bastião de grupo rebelde na República Centro-Africana

Pára-quedistas portugueses ao serviço da missão das Nações Unidas na República Centro-Africana tomaram este fim-de-semana o quartel-general da UPC de Ali Darassa em Bokolobo, após a expulsão do grupo rebelde da cidade de Bambari.

A operação militar, que o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA) descreve como sendo de “alta intensidade”, prolongou-se por 50 horas e incluiu a utilização de meios aéreos e de viaturas blindadas Pandur.

A ofensiva iniciou-se na tarde de quinta-feira, dia 10, quando os pára-quedistas portugueses foram chamados para conter um ataque violento do grupo armado UPC no centro de Bambari. Os militares conseguiram expulsar os rebeldes da cidade, seguindo-se depois uma nova fase da operação com vista a afastar o grupo da região e forçar negociações de paz.

No trajecto entre Bambari e Bokolobo, localidade a partir da qual Ali Darassa comanda a UPC, os rebeldes tentaram emboscar as forças das Nações Unidas com recurso a lança-rockets. Nas imagens cedidas ao PÚBLICO pelo EMGFA, é visível a acção das viaturas Pandur, que lançam fumos para mascarar a posição dos pára-quedistas lusos, e de atiradores especiais portugueses que seguiam a bordo de um helicóptero Mi-27 do Paquistão, país que participa igualmente nesta missão da ONU.


Esta acção em concreto, explica o EMGFA, foi coordenada pelos militares do Destacamento Aéreo Táctico Avançado (TACP) da Força Aérea, encontrando-se um controlador TACP no solo e o outro no helicóptero em coordenação com o comandante da força de pára-quedistas no terreno.

Já em Bokolobo, e cabo de “várias horas de intenso combate”, as forças portuguesas tomaram de assalto o quartel-general da UPC, apreendendo grandes quantidades de armamento pesado.


Na sequência da operação, informa o EMGFA, a UPC aceitou estabelecer conversações com as autoridades governamentais para abandonar definitivamente a região de Bambari.


“Esta acção militar levada a cabo pelas Nações Unidas, usando a capacidade de actuação dos capacetes azuis pára-quedistas, é um sinal intencional do ponto de visto político de que o exercício do Estado de Direito não será afectado pela actuação irresponsável dos grupos armados, e que continuará a ser contida e anulada, dando força ao processo negocial em curso para a promoção do diálogo de paz, que envolve a ONU, a União Africana, as instituições governamentais da República Centro-Africana e os representantes dos grupos armados”, declara o EMGFA.

No sábado, antes mesmo de estar concluída a operação, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiou a “forma valente” com que as forças portuguesas têm desempenhado a sua missão na República Centro-Africana.

“O Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas já falou telefonicamente com o Comandante da Força Nacional Destacada na República Centro-Africana e felicitou a nossa Força pela forma excepcional como, durante todo o dia, esteve envolvida em combate e cumpriu, uma vez mais, de forma valente a missão de proteger as populações daquele país”, lia-se numa nota publicada no site da Presidência

Portugal tem neste momento cerca de 180 militares na República Centro-Africana.