A CFO da Huawei é acusada de fraude e sai em condicional

Uma executivo de topo da empresa chinesa Huawei foi colocada em prisão no Canadá no último sábado, sendo que o anúncio foi feito apenas na terça-feira. A CFO da empresa já foi presente em tribunal, foi acusada de fraude e está em condicional.

Em causa poderá estar uma extradição para os Estados Unidos da América, que terão sido o país a pedir a prisão de Meng Wanzhou, de 46 anos. Para além de ser responsável pelas finanças da empresa, é também filha do fundador da mesma.

O que está em causa?

Uma investigação concreta sobre possíveis violações da Huawei a sanções feitas contra o Irão foi aberta em Abril deste ano. Até agora, poucas informações existiam sobre esta investigação, que aparentemente estará a chegar a conclusões sólidas o suficiente para justificar esta detenção. Em causa está um alegado esquema para usar o sistema bancário global para fugir às sanções dos Estados Unidos da América contra o Irão.

A Huawei considera esta prisão injusta. “A empresa (Huawei) recebeu até agora muito pouca informação em relação às acusações e não conhece nenhuma acção errada da Sr. Meng”, disse um porta-voz da Huawei. “A empresa acredita que os sistemas de justiça Canadiano e Americano irão, em última análise, chegar a uma conclusão justa.”

Não há muitas informações públicas sobre o caso

O Departamento de Justiça Canadiano negou acesso a informação do caso Meng, e diversos mecanismos legais para impedir o acesso de jornalistas à informação foram activados. Assim sendo, não existe informação referente à existência de provas concretas de qualquer crime cometido por Meng ou pela Huawei.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Geng Shuang, afirmou que a China não recebeu nenhuma prova de que Meng tenha ido contra a lei quer nos Estados Unidos, quer no Canadá, e exige a sua libertação imediata. Os jornais ligados à estrutura de poder do governo chinês afirmam que esta prisão é um golpe americano contra o rápido crescimento da empresa chinesa.

Fonte: Reuters