Pelo menos 278 detenções em Paris para impedir atos violentos nos protestos

Paris, 8 dez (EFE).- As forças de ordem da França detiveram, na manhã deste sábado, pelo menos 278 pessoas em Paris, com o objetivo de impedir preventivamente incidentes violentos pelas convocações de protestos dos “coletes amarelos”, de acordo com informações da polícia passadas à Agência Efe.

Uma porta-voz explicou que esse número pode subir durante o resto do dia.

Ela destacou que essas pessoas, detidas sobretudo por fazerem parte de grupos suscetíveis de protagonizar atos de violência ou por possuírem objetos que possam ser utilizados para esse fim, não necessariamente ficarão sob custódia uma vez realizadas as verificações pertinentes.

O ministro do Interior, Christophe Castaner, que desde a madrugada vem percorrendo o dispositivo de segurança em diversos pontos da cidade, justificou sua pertinência em impedir que se repitam os distúrbios ocorridos há uma semana: “Tivemos que dar uma resposta forte”.

Castaner, em entrevista ao canal “BFMTV”, pediu aos “coletes amarelos” que querem fazer valer suas reivindicações, “que não se misturem” com os manifestantes violentos, pois “a violência nunca será uma forma de protesto”.

Ele também disse que “o governo estendeu a mão” com a sua disponibilidade para o diálogo e medidas, como a suspensão do aumentos dos impostos sobre o combustível que estava programado para janeiro: “Agora é preciso sentar à mesa e discutir”.

O primeiro-ministro Édouard Philippe, recebeu ontem à noite uma delegação de sete “coletes amarelos livres”, um grupo que se reivindica como moderado e que pediu aos seus seguidores que não viajassem para Paris.

O governo francês mobilizou para hoje um dispositivo de segurança “excepcional”, que inclui, em particular, o desdobramento de 89 mil policiais e gendarmes em todo o país, dos quais 8 mil na capital.

Além disso, em Paris, as áreas mais sensíveis por serem pontos de concentração dos “coletes amarelos”, como o bairro da Champs-Élysées, as praças da República e da Bastilha foram fechadas para o tráfego desde o início da manhã e os estabelecimentos comerciais permanecerão fechadas.

Grandes museus, assim como lojas de departamento, diversos mercados e estabelecimentos públicos também não funcionarão.