Na véspera de final, torcedores fazem festa no hotel onde Boca se concentra

A véspera da finalíssima da Copa Libertadores já tem clima de festa em Madri. Neste sábado, cerca de 500 torcedores do Boca Juniors foram ao hotel onde a equipe está concentrada para realizar um evento de celebração e apoio a ela, algo tradicional no futebol argentino e conhecido como “banderazo”.

A celebração, no bairro Mirasierra, foi organizada por torcedores de Madri do Boca Juniors e também envolveu outros grupos de espanhóis e também de moradores da Europa. E além de apoiar o seu clube do coração, os torcedores, portando faixas e bandeiras, também entoaram cânticos provocativos ao River Plate, adversário na decisão deste domingo.

Apesar do clima pacífico na celebração no entorno do hotel do Boca Juniors, há preocupação com a segurança por parte das autoridades de segurança da Espanha. Tanto que Maxi Mazzaro, um dos mais conhecidos “barrabravas” da torcida do Boca, foi deportado logo ao desembarcar na capital espanhola na noite de quarta. E a polícia revelou que um torcedor do River Plate de perfil semelhante teve o mesmo destino na última sexta-feira – a sua identidade não foi revelada.

Até por isso, mesmo sendo uma manifestação de apoio, o ato dos torcedores do Boca no hotel onde a equipe está concentrada em Madri também ficou marcado pelo forte esquema de segurança, algo que se repetirá até a decisão deste domingo no Santiago Bernabéu.

Boca e River empataram por 2 a 2 no jogo de ida da final da Libertadores, disputado no estádio de La Bombonera. O segundo jogo decisivo será disputado no estádio do Real Madrid, em solo europeu, por causa dos incidentes ocorridos antes da partida marcada inicialmente para o dia 24, no Monumental de Núñez, a casa do River.

Poucas horas antes do início do jogo, o ônibus do Boca foi apedrejado por torcedores do River, com atletas ficando feridos, o que impediu a realização da partida decisiva. Após alguns adiamentos, a partida foi marcada para domingo no Santiago Bernabéu.