08/12/2018 – FORD ESTÁ PREPARANDO UMA REESTRUTURAÇÃO NA EUROPA

FORD ESTÁ PREPARANDO UMA REESTRUTURAÇÃO NA EUROPA  Imagens e fotos de carro

A Ford prepara-se para um ano de prejuízo na Europa, e vai lançar-se numa reestruturação que visa regressar aos bons tempos e colocar as contas no azul. O objetivo principal passa por atingir uma margem de lucro de 6%, embora não tenha sido definido o prazo para atingir essa meta, e para isso lançará o plano ‘Sprint to 6 Reset and Redesign’. O primeiro passo para a transformação foi dado com a escolha dos Diretores Executivos de Transformação do Negócio para as operações: na Alemanha, Gunnar Herrmann, e no Reino Unido, Graham Hoare.

Estes são os homens que irão liderar a reestruturação, onde terá papel fundamental o “investimento apenas nos veículos, serviços e segmentos que melhor apoiem um negócio sustentável e lucrativo a longo prazo”, que pode ser lido no comunicado oficial da marca. E isso significa, obviamente, o corte de alguns modelos da linha atual, esperando-se que os SUVs venham ter prioridade no futuro. Além disso, também os comerciais leves (com margem de lucro atual em torno dos 13%) devem ser uma aposta. Além da revisão na linha, a reestruturação europeia da Ford deve também levar à dispensa de parte dos atuais 54.000 funcionários da empresa, e forçar o encerramento de algumas das 24 instalações atuais.

As contas da empresa mostram bem a necessidade de reformular o negócio. Afinal, depois dos lucros de 234 milhões de dólares ao longo de 2017, só no terceiro trimestre deste ano as perdas da empresa na Europa atingiram 245 milhões de dólares. Algo que, segundo afirma a marca, deveu-se à queda do volume nas operações da Turquia e Rússia, além dos custos associados ao lançamento do novo Ford Focus. A Morgan Stanley até afirmou recentemente que a operação europeia poderá ter uma avaliação negativa de alguns bilhões de euros, mas a Ford já disse que esses números da consultoria são “pura especulação”.

Além da redução da linha e concentração apenas em alguns segmentos, a restruturação europeia da Ford deve também passar pela tentativa de compor novas parcerias. Por exemplo, no campo dos comerciais leves já existe um acordo entre a Ford e o Grupo Volkswagen, uma ligação que, segundo informações recentes, poderá também estender-se no futuro às pesquisas na condução autônoma e na eletrificação. E entre a Ford e o Grupo PSA também há um pacto na área de motores. Dessa associação a outras empresas acaba por resultar uma diluição dos vultosos custos para o desenvolvimento de novas tecnologias e modelos, o que obviamente ajudará a Ford a aumentar os ganhos por cada automóvel produzido e assim chegar à margem de lucro de 6% indicada no ‘Sprint to 6 Reset and Redesign’.