Leitura ininterrupta de "Todos os nomes" no D. Maria II em homenagem a Saramago

Lisboa, 06 dez (Lusa) — Vinte anos depois de José Saramago ter recebido o Prémio Nobel da Literatura em Estocolmo, 20 autores leem, de forma ininterrupta, no domingo, no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, “Todos os nomes”, numa homenagem ao escritor português.

Trata-se de uma iniciativa conjunta da Fundação José Saramago e do gabinete do primeiro-ministro, António Costa, numa parceria com o Teatro Nacional D. Maria II e o Instituto Camões.

Ana Brandão, António Fonseca, Beatriz Batarda, Carla Maciel, Carlos Marques, Cirila Bossuet, Isabel Abreu, João Grosso, Lúcia Maria, Márcia Breia, Maria do Céu Guerra, Maria João Luís, Miguel Seabra, Mónica Garnel, Pompeu José, Rita Cabaço, Rui Mendes, Sara Carinhas, Sara de Castro e Tiago Rodrigues, também encenador e diretor artístico do TNDM, são aqueles a quem cabe ler “Todos os Nomes”, de José Saramago.

A maratona literária irá decorrer na sala Garrett, durante cerca de nove horas, seguindo a odisseia do funcionário de registo civil, através de “todos os nomes”.

A esta leitura, seguir-se-á uma cerimónia de homenagem ao Nobel, com intervenções dos escritores Germano de Almeida e Mia Couto, ambos distinguidos com o Prémio Camões, Lídia Jorge, Nelida Piñon e Ondjaki.

Intercaladas com estas intervenções serão lidas igualmente felicitações recebidas por José Saramago, a propósito da atribuição do Nobel, incluídas no livro “Um país levantado em alegria”, de Ricardo Viel, obra que refaz o caminho da notícia da atribuição do primeiro Prémio Nobel para a literatura em língua portuguesa, informou o D. Maria II.

No dia 08 de outubro de 1998, a Academia atribuiu o Prémio Nobel da Literatura ao escritor José Saramago, o primeiro autor a receber a distinção da academia sueca pelo conjunto da sua obra de que se celebram agora vinte anos.

A entrega do prémio realizou-se em Estocolmo, no dia 10 de dezembro de 1998.

CP // MAG

Lusa/fim