Rui Vitória e os problemas ofensivos da equipa: "Na altura da decisão é uma pedra em cima do coração"

Não é segredo para ninguém os problemas ofensivos do Benfica esta época. Nos últimos quatro jogos, em que as ‘águias’ somaram três derrotas e um empate, a formação ‘encarnada’ apenas marcou dois golos.

Apesar da falta de golos, Rui Vitória tem muitas boas opções para a frente de ataque, principalmente nas alas, sector onde o técnico mais tem mexido. Confrontado com as constantes mexidas, o treinador explicou que é sempre subjetivo analisar a questão, dada a qualidade dos jogadores.

“Isto é claramente típico de uma equipa como a nossa. Se eu vos perguntar qual dos cinco alas é que vocês escolhem, poderá haver uma opinião diferente para todos. Isto é como numa redação. Há quatro jornalistas muito bons, mas a administração tem de pôr um de fora. Há um jornalista muito bom que vai ficar de fora. É isto em todas as profissões. É o que se passa aqui e é sempre discutível. Eu escolho pelas características dos jogadores. Na altura da decisão é uma pedra em cima do coração e escolho. Há quem goste de um ou de outro tipo de pessoa”, comentou o técnico, lembrando que também já foi questionado por mexer pouco.

“Mas também acontece o contrário. Também já fui perguntado pela rotação. Isto é sempre subjetivo de analisar. Para mim as decisões são muito claras, são sempre tendo em conta a nossa equipa e o adversário que vamos ter pela frente. Eu até posso gostar muito de um jogador, mas se entendo que o outro é que é bom para aquele jogo, o outro é que vai jogar”, atirou.

O Benfica desloca-se ao terreno do Tondela este domingo, num jogo que está marcado para às 17h30.