Trump disse que não conhece Matt Whitaker

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump,
disse que não conhece o procurador-geral interino, Matt Whitaker, o qual
ele acaba de nomear para o cargo provisório. A declaração foi dada à
imprensa da Casa Branca antes de embarcar para a França, onde participa
da cerimônia do centenário da Primeira Guerra Mundial. Em sua conta
oficial no Twitter, Trump disse na noite da última sexta-feira (9), que
Whitaker é um ex-advogado americano “altamente respeitado” de Iowa.
“Tenho certeza de que ele será um excelente procurador-geral em
exercício!”, publicou. No mês passado, durante uma entrevista para a Fox
News, Trump chamou Whitaker de “um cara legal”. “Quero dizer, eu
conheço Matt Whitaker”, disse na ocasião.
Além do possível acordo comercial, Trump elogiou Bolsonaro

Presidente dos EUA, Donald Trump

Matt Whitaker assumiu o cargo interino de procurador-geral dos EUA após a
demissão de Jeff Sessions nesta semana. Nos EUA, o procurador-geral
comanda o Departamento de Justiça (DoJ, na sigla em inglês). A indicação
provocou divergências entre republicanos e democratas porque o cargo é
responsável pela supervisão do conselheiro especial Robert Mueller, que
apura a suposta interferência do Kremlin nas eleição presidencial
americana de 2016.

Em discurso realizado nesta sexta-feira em Kentucky, o líder republicano
no Senado dos Estados Unidos, Mitch McConnell, disse esperar que o
presidente Donald Trump indique um novo procurador-geral “muito
rapidamente” e que espera que o procurador-geral interino, Matt
Whitaker, seja, de fato, interino. Os democratas criticaram Whitaker por
comentários feitos por ele no passado, que mostravam críticas à
investigação do conselheiro especial Robert Mueller e pediram por um
projeto de lei que proteja Mueller.

Recentemente, Whitaker escreveu um artigo de opinião pública dizendo que
Mueller estaria se desviando das atribuições do mandato por investigar
as finanças da família Trump. Whitaker concedeu entrevista a uma rádio,
em que afirmou que não havia evidências de conluio entre o Kremlin e a
campanha Trump. O procurador-geral interino não se manifestou a respeito
das acusações. Após a nomeação, disse apenas, em nota, que: “Estou
empenhada em liderar um departamento justo com os mais altos padrões
éticos, que defende o estado de direito e busca justiça para todos os
americanos”.

A constitucionalidade da nomeação de Whitaker é outra questão debatida
pelos juristas dos EUA. Alguns advogados dizem que sua nomeação é ilegal
porque não foi confirmada pelo Senado. Fonte: Associated Press.


Estadão Conteúdo