Millennium: "É um filme para maiores por um motivo", diz Sylvia Hoeks, intérprete da irmã de Lisbeth Salander em A …

Assim como nos livros, A Garota na Teia de Aranha era para ser uma espécie de continuação de Os Homens que Não Amavam as Mulheres. Na transposição para o cinema, no entanto, não será bem assim.

“Eu diria que o próximo capítulo na ‘Saga Millennium’ não é uma continuação. É um filme que você pode ver de maneira independente. É um reboot da franquia”, explica o ator sueco Sverrir Gudnason (o Björn Borg de Borg vs McEnroe) em entrevista ao AdoroCinema em junho – ocasião em que o filme não foi exibido para a imprensa.

Sverrir Gudnason.
A nova versão é baseada no quarto livro da saga, o primeiro escrito por David Lagercrantz, depois da morte de Stieg Larsson, autor da trilogia original.

A produção destaca o papel da irmã da hacker Lisbeth Salander, Camilla Salander, interpretada pela holandesa Sylvia Hoeks. A atriz teve cabelos e sobrancelhas descoloridos, num claro contraste com o visual “punk” de Claire Foy (The Crown) na pele da protagonista – e bem diferente da sua caracterização como a Luv de Blade Runner 2049.

“Ela admirava a irmã e via a Lisbeth como uma versão mais durona das duas. E eu acho que ela realmente pensa muito na Lisbeth e a coloca em um pedestal. E não tinha outro jeito de voltar para a vida da Lisbeth”, acredita a atriz.

Sylvia Hoeks.
Desta vez, de forma ainda mais destacada, a hacker assume uma postura de anti-heroína que ataca homens que agridem mulheres. “Eu diria que é bem próximo do mundo atual. Quando eu cresci, todo herói, em todos os filmes, era um homem e agora nós temos a Lisbeth Salander e acho que isso é um sinal dos tempos”, contextualiza o intérprete do novo Mikael Blomkvist – papel vivido por Daniel Craig no longa anterior, de David Fincher.

Claire Foy em cena.
Quem assume o comando agora é o diretor uruguaio Fede Alvarez, que fez fama em Hollywood com a refilmagem do terror Evil Dead e o surpreendente suspense O Homem nas Trevas. Em comparação, Sylvia declara: “Eu acho que esse filme tem muito disso [terror/ suspense] do Fede porque eu acho que ele traz uma dureza verdadeira e o calor e emoção. E nada é aliviado para a audiência. É um filme para maiores por um motivo”, provoca.

Millennium: A Garota na Teia de Aranha já está em cartaz nos cinemas brasileiros.

Confira abaixo nossa entrevista com Claire Foy.

AdoroCinema