Ex-coronel austríaco suspeito de espionagem para Rússia confessa, relata imprensa

Bandeira da Áustria

©
AFP 2018 / JOE KLAMAR

Coronel aposentado do exército austríaco, suspeito pelas autoridades de ter revelado segredo de Estado à Rússia, acabou de fazer um depoimento assumindo sua culpa, comunica uma agência local.

Essa informação foi comunicada pelo jornal austríaco Die Presse, citando fontes no Ministério da Defesa da Áustria.

De acordo com a edição, o ex-militar confessou ter recebido 300 mil euros (quase 1,3 milhões de reais) da parte russa pela sua atuação como espião. O jornal destaca que o coronel suspeito tinha trabalhado por muito tempo no aparelho central do Ministério da Defesa austríaco, nomeadamente no Departamento de Planejamento Estruturado, e poderia ter conhecimento sobre o conteúdo das negociações ao mais alto nível e o tipo de relacionamento entre os quadros superiores da entidade.

Ao mesmo tempo, o ministério assegurou que o suspeito não teria tido acesso a informações classificadas de grande importância para o Estado. Além disso, a edição afirma que o coronel queria se demitir ainda no ano de 2006, mas não o fez devido a uma possível pressão externa.

Mais cedo hoje, o chanceler russo Sergei Lavrov falou pelo telefone com sua homóloga austríaca, Karin Kneissl, debatendo eles as relações bilaterais entre os dois países e o caso da detenção do alegado espião, informou o Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

Assim, Kneissl “revelou os motivos que obrigaram Viena a tomar esta decisão e expressou sua esperança de que os passos realizados não se repercutam no desenvolvimento da cooperação bilateral”, sublinha o comunicado.

Já o chefe da diplomacia russa, por sua parte, revelou que “a prática de apresentar acusações infundadas contradiz as normas internacionais de diálogo e é inaceitável”. Aliás, o titular da pasta destacou que “qualquer preocupação deve ser discutida através dos canais de comunicação existentes e se baseando em fatos”.

Mais cedo, em 9 de novembro, a edição Kronen Zeitung informou que o ex-coronel das Forças Armadas da Áustria Alfred Redl havia sido detido por suspeita de espionar por 20 anos a favor da Rússia. Segundo os dados da mídia austríaca, o militar coletava para a Rússia informações sobre a Força Aérea do país, sistemas de artilharia, crise migratória, assim como dados detalhados sobre militares austríacos de alta patente. O chanceler Kurz confirmou os relatos da mídia e disse que, frente às informações, a chefe da diplomacia austríaca, Karin Kneissl, tinha cancelado sua visita à Rússia.