Esquecido por Valverde, Mina lembra treinos solitários no Barcelona: "Não era pra ser"

O zagueiro Mina realizou na última semana sua estreia pelo Everton, quase quatro meses depois de ter sido contratado pelo clube inglês, após se recuperar de uma lesão no pé. E, ao entrar em campo mesmo que por poucos minutos diante do Brighton, deixou para trás os tempos de pouca atenção quando defendia o Barcelona.

Em entrevista ao jornal “Telegraph”, o colombiano lembrou os treinos solitários que realizou no clube catalão, à espera de uma chance por parte do técnico Ernesto Valverde – que acabou não vindo.

– Eu acredito muito em não olhar para trás. O importante é manter o olhar para o futuro e o foco no que está à frente. Eu dei meu melhor em Barcelona, treinei realmente duro. Treinei muito com o grupo, mas aí via que não estava relacionado. Gastei muito tempo treinando sozinho, e estava em forma e pronto para quando o técnico me chamava. Não era pra ser – lembrou.

Yerri Mina em ação em sua estreia pelo Everton — Foto: AFPYerri Mina em ação em sua estreia pelo Everton — Foto: AFP

Yerri Mina em ação em sua estreia pelo Everton — Foto: AFP

Mina chegou ao Barcelona no começo do ano passado, após despertar o interesse do clube catalão ainda em 2016, mas ter uma passagem de mais de um ano pelo Palmeiras. O colombiano não conseguiu ganhar a confiança do técnico Ernesto Valverde e, desta forma, atuou em apenas seis partidas pelo Barça – somando apenas 377 minutos em campo.

Fora dos planos de Valverde, Mina foi para a Copa do Mundo como titular da zaga da Colômbia e se destacou tanto na defesa quanto no ataque, marcando gols importantes. E, logo após o Mundial, passou a receber ligações do técnico Marco Silva, que deixou claro o desejo de ter o zagueiro no Everton – o que pesou para sua escolha.

– Eu estava de folga, treinando e me mantendo em forma depois da Copa, e Marco estava no telefone, me dizendo: “Venha, venha jogar conosco aqui”. A fé que ele mostrou em mim foi muito importante. Eu sei agora, sentado aqui, que tomei a decisão certa. Foi a melhor decisão que poderia ter tomado – disse o jogador, que garantiu que apenas seu agente conversou com o Manchester United.